NÃO CHEGUES ATRAZADO

EnF7DhHROS8OMEp2pCkx_Dufer food overhead hig res

Na cozinha, António come os flocos integrais com iogurte, acompanhados dos primeiros comprimidos do dia. Cumpre, rotineiro, sem contestar a prescrição do médico que lhe disse;

“Se temos que viver, (como se isso fosse uma obrigação; António, sempre a duvidares dos poderes do misericordioso. cala-te, homem, ouve e obedece), então vamos fazê-lo com qualidade, por isso não se esqueça de tomar os comprimidos que não lhe vão acabar com as dores nem com as doenças da alma que coleccionou durante tantos anos que já leva de por cá andar. Esse é o património da sua velhice, (e António; o que sabe este gajo daquilo que por ai andei a fazer neste inferno de ter que passar o tempo e se essa merda é algum património de que me orgulhe; está bem senhor doutor, obediência de doente) e o senhor António deve orgulhar-se e dar-se por muito feliz por aqui ter chegado neste bom estado. Novos há, que nem por isso. Eu é que sei, que todos me passam por baixo do estetoscópio que guarda muitos segredos. E os medicamentos podem ajudá-lo no caminho que sabe que tem certo, sabe que não vai cá ficar para sementeira senhor António. Os medicamentos desenrugam-lhe o caminho de sofrimentos desnecessários. A ciência senhor António, a nossa bela ciência, faz hoje o milagre de nos esticar a vida como se fosse um elástico…”

E o senhor Doutor a teclar no computador mais uma receita de comprimidos, xaropes e mesinhas com miligramas, doses, indicações e contra indicações, horários, manhã, tarde, noite, – horas certas, não esqueça senhor António as horas – como se o computador enxergasse melhor do que ele padecimentos. Conhecia muito bem as suas dores que em confidências de solidão as ia arrumando umas, as mais novas, no lado direito da vida e outras, as que vinham do passado, no lado esquerdo da vida.

(até nas doenças os computadores já estão metidos. António deixa de resmungar. É a cibernética a tomar conta do que foste, do que és e do que ainda podes ser. É assim, o que queres? E para de reclamar…António, tem calma, António, confia na ciência para não chegares atrasado à morte.)

 

 

2 Comments

  1. Fátima Valente 11 March, 2015 at 15:48

    Gostei do que li.

    Reply

  2. Madalena Batista 11 March, 2015 at 17:54

    As dores do corpo são parte pequeno das que trazemos, porque maiores e de maiores danos são outras mais fundas e secretas feitas à medida de cada um.A dor de estar perdido,a dor da solidão, a dor de não acreditar.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>